Agricultura biológica: Ministro garante apoios mas exige certificação produtos

7 06 2007

O ministro da Agricultura afirmou hoje que o Governo vai apoiar a agricultura biológica, um sector com mercado e em crescimento, mas advertiu que vai haver uma grande exigência através da certificação dos produtos.

Vai haver apoios financeiros

“O que vim aqui dizer ao sector foi que vai haver apoios financeiros. Acreditamos que há mercado em potencial crescimento e que os agricultores têm aqui uma oportunidade de diferenciação, mas vamos ser exigentes”, disse Jaime Silva.

Certificação séria

“Vamos ter um plano que vai ser analisado anualmente e que vai ser revisto anualmente. Tem que haver uma certificação séria, não vamos criar muitas empresas de certificação porque têm que ser sustentáveis financeiramente”, especificou o ministro da Agricultura.

Jaime Silva falava aos jornalistas após ter presidido ao encerramento do 1º congresso de agricultura biológica que decorreu hoje em Alenquer.

Referindo que os consumidores têm que ter a garantia de que estão a consumir produtos biológicos, o ministro disse aos congressistas que “o Governo não pode aceitar que uma ajuda ambiental para cereal biológico não chegue ao consumidor porque, quando compra pão biológico, o cereal é importado”.

Durante o congresso, que reuniu cerca de 300 produtores de agricultura biológica foi, sobretudo, reclamado da parte do Governo uma “mudança de atitude” quanto a este modo de produção “amigo do ambiente”.

O vice-presidente da Interbio (Associação Interprofissional para a agricultura biológica), Alfredo Sendim, disse à agência Lusa que é necessário exigir “uma atitude diferente por parte do Ministério da Agricultura”.

“É necessário criar mercado através da informação e divulgação junto do consumidor do conceito da agricultura biológica”, frisou.

Os produtores pretendem uma redefinição das ajudas à produção e transformação, campanhas de informação dos consumidores e a inclusão destas matérias nos programas escolares e de alimentação.

“O Governo tem que perceber a bondade do modelo de agricultura para o país e que isso tem que implicar os ministérios do ambiente, educação e saúde”, defendeu Alfredo Sendim.

A presidente da Interbio (associação que organizou o congresso), Maria Santos, defendeu também que “é preciso é uma opção política clara por uma fileira importantíssima do ponto de vista da competitividade nacional”.

Portugal é que tem condições óptimas do ponto de vista agro-ecológica, do combate à desertificação e rejuvenescimento do mundo rural”, assinalou.

Segundo a Interbio dos 400 mil agricultores portugueses, 1300 são produtores de agricultura biológica, detentores de 190 mil hectares, na sua maioria pastagens (criação de carne) e olival (produção de azeite).

Sob o lema “agricultura biológica – Uma aposta para Portugal“, o encontro divulgou ainda as iniciativas nacionais que promovem a utilização de técnicas ecológicas na produção de produtos com a presença de agricultores de vários pontos do país.

Alenquer, 07 Jun

 

Anúncios




Câmara de Terras de Bouro abriu hoje, em Souto, um ponto de venda de ervas aromáticas e condimentares, produtos agrícolas, frutícolas, hortícolas, e enchidos confeccionados de modo tradicional

4 01 2007

1425570690_c030958b94_o.jpg

Segundo fonte do Gabinete de Presidência da autarquia, o espaço – colocado à disposição dos agricultores – foi construído à margem da estrada nacional, entre Terras de Bouro e Braga, na freguesia de Souto, onde passam, diariamente, centenas de turistas que se dirigem para a serra do Gerês. A iniciativa resultou de uma parceria da câmara com a Associação para o Desenvolvimento das Terras Altas do Homem e Cávado e integra-se num programa de apoio à divulgação e promoção dos produtos locais. No posto de venda é possível broa, legumes, cereais, chás, mel, compotas, licores, azeite, plantas aromáticas e peças de artesanato. A câmara – sublinha a fonte – aposta na economia local através da preservação de um património natural apreciado pelo homem citadino”. “Esta política – salienta – deu já origem ao aparecimento da Associação dos Agricultores de Modo Biológico de Terras de Bouro que comercializa, entre outros produtos, o cabrito do monte”. Fonte Lusa 19-7-2006